Look do Dia – A grama do vizinho é mais verde

A grama do vizinho é mais verde, o lanche do colega da escola é sempre mais gostoso, o cabelo dela é mais bonito, o quarto deles é maior, a roupa dela é mais estilosa, o sapato dele está mais na moda, eles têm mais livros que eu! Ela tem mais filmes que eu! O carro deles é melhor que o nosso, o dinheiro dele…. Bem, nem sempre é mais valioso que o meu.

Sempre, ou ao menos na maioria das vezes, admita, já passaste coisas assim pela tua mente, não?

Verdade é que somos culturalmente criados para mentalizar que “a grama do vizinho é mais verde”, metaforicamente dizendo, o do outro é ‘sempre melhor’.

Dentre as coisas que vivo por aqui, uma delas, é que, nós, brasileiros, valorizamos muito mais o que é do outro. Aqui brincamos: “A Europa é pura ilusão”, pela experiência que tenho, posso dizer que sim, muitas coisas são pura utopia, enquanto outras, para equilibrar a situação, são completamente impensáveis.

Você vai pensar: Ela está maluca! Mas é isso, precisamos perder para valorizar, santo clichê mas é vero. Não somente Portugal, mas pelo pouco que percorri a Europa até hoje posso dizer que o Brasil perde, mas em poucas coisas. Somos a terra do arroz com feijão melhor do que qualquer outro lugar, do ânimo e do calor incomparáveis, de belezas deslumbrantes, de uma rica e poderosa história que não se compara a nada.

Creio que é preciso, realmente, sair do ambiente de conforto. Encarar cozinhas sujas, quartos compartilhados, vôos que ironicamente podem causar infartos a alguém – kkk quem já viajou low Coast sabe o que digo -, comida estranha, açúcar que não adoça, sal que não salga, falta de banho e água quente, falta do que comer descentemente, dificuldade para encarar uma outra língua, muito parecida e também totalmente diferente, ou idiomas desconhecidos, caminhos estranhos, ficar perdido, vestir quase sempre as mesmas roupas, pessoas desconhecidas, culturas inimagináveis, valores e tabus… Um mundo de opções em que você escolhe o caminho para se ter a experiência como destino.

É maravilhoso estar aqui, penso isso, pós e contras estão em todos os lugares, não há como fugir, mas se a gente quer, fazemos valer a pena da forma como podemos.

A Europa que me desculpe, você é maravilhosamente foda, mas o Brasil não perde pra tu meu bem!

SOBRE O AUTOR

"E aqueles que estavam dançando, foram julgados insanos, por aqueles que não podiam escutar a música." Mineira de nascença, kadercista e nietzschiana por opção, artista e escritora por amor.