“Longe de casa, há mais de uma semana…”

Pouco mais de um mês, cinco cidades, cinco aldeias históricas, confronto com uma nova cultura de norte a sul do país.

O que tenho a dizer do principal país o qual nos colonizou ? Ora pois, infinitas coisinhas.

Conviver em uma casa com cerca de 5 nacionalidades distintas e algumas regras a cumprir obviamente te faz sentir saudades de casa. Aqui, nós, brazucas, percebemos o quão util, funcional e valorizado é possuir panela de pressão, máquina de lavar roupa, pano de chão, café, feijão e arroz(de boa qualidade) e forno. E claro, em meu caso e no de muitas mais pessoas, a deliciosa comida mineira.

10728689_845441982155691_1232494834_n

No Brasil, não valorizamos muito essas coisas, logo por termos sempre acaba passando despercebido. Mas aqui, sinceramente, nos faz muita falta. Não por inexistir, mas por ser financeiramente inviável. Algumas coisas são tão impensáveis que chegam a ser cômicas, irônicas, deslumbrantes e/ou surpreendentes, pois.

Convivemos com a saudade, palavra existente somente na língua portuguesa, mas convivemos bem, acredito. Escolhemos essa vida, deixamos diversas coisas pra trás, e mordomias, por isto. Então, o que nos resta , é aproveitar da melhor forma o que escolhemos, acatar as dificuldades, se possível transformando-as em valores. Covilhã pode ser grosseiramente resumida em uma cidade histórica, universitária, muito pequenina e que possui uns ‘Q’s’ de cidade grande.

Creio que ser assim a grande parte das cidades interioranas por aqui. Quando, poderíamos imaginar uma cidade com elevadores espalhados por alguns de seus incontáveis morros? Shopping, Mc Donalds, piscinas municipais, ônibus e táxis com wifi e aeroporto (pequeno, mas que não deixa de ser)? Digo isto de uma cidade que beira 30 mil habitantes, acreditem, é vero!

Holi Festival - Lisboa

Holi Festival – Lisboa

Das poucas cidades que conheci, posso dizer que os portugueses obviamente não são como nós brasileiros costumamos pressupor, desconhecendo, devo ressaltar. Simpatia e muita educação foi o que presenciei desde que aqui estou. Claro, estas são características que variam de acordo com as pessoas, o que notei é que em cada região deste pequenino país há uma maneira em comum as quais podemos ‘caracterizar’ os tugas, desde simpaticíssimos a grossos, irônicos a sarcásticos, hospitaleiros a frios.

E a mulher brasileira?

“Os europeus, principalmente os portugueses tem uma visão muito distorcida delas, pensam que vão a Europa, a Portugal, para se prostituírem.’ Esta foi só uma das inúmeras coisas que ouvi dizer antes de embarcar, creio que ‘nascemos’ sabendo disto, com esta visão, e pra ser sincera não só eles podem ter a visão distorcida de quem somos, como também vive versa. Essa é uma antiga história , que permeia a cultura deste povo, o que percebo é que sim, isso existe, porém não como exageradamente pressupomos. O pensamente português tem mudado muito e tanto aqui como em qualquer lugar do mundo, sim, DO MUNDO, nos confrontamos com este e diversos outros tipos de desinformações culturalmente impostas pela sociedade local. E isso nos deixa com toda certeza ao menos boquiabertos, o que penso disso? Como lidar?

É cultura minha gente! Cá entre nós, é muito mais fácil estar aberto a novas experiências e precavidos do que se pode ocorrer, entender e levar na esportiva, ser você e mostrar que não somos exatamente como eles pensam do que tentar modificar; aliás, creio que com esta postura estamos os ajudando a pensar de maneira diferente.

“Mas você é brasileira!

Foi exatamente o que escutei uma vez, vontade de dar um tapa na cara? Eu tive! Não só o tapa,confesso.

Mas simplesmente respondi: E você é feio!

E sai dando gargalhadas. Afinal, pra que piorar algo se você pode simplesmente rir e ignorar a situação, não é mesmo?

Meus queridos, este foi um simples resumo do que o foi meu primeiro mês. Espero que tenham gostado/aproveitado, e pra semana que vem, muitas mais novidades, aguardem!

Beijinhos, beijinhos e até já ;)

 

SOBRE O AUTOR

"E aqueles que estavam dançando, foram julgados insanos, por aqueles que não podiam escutar a música." Mineira de nascença, kadercista e nietzschiana por opção, artista e escritora por amor.